segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Recado


Vó, não me deixe tão só.
Não me deixe tão só... Oh! Minha vó!
Eu preciso estudar!
Eu preciso aprender!
Eu preciso saber...
Oh! Minha vó!

Ando tão ocupado.
Tanta lida a levar.
Tanto sol por nascer.
Tanta coisa a fazer.
Oh! Minha vó!

Vou escrever pra você
que  é pra eu não me esquecer.
Eu preciso contar
com alguém pra contar...
cada passo que eu der. 

Minha vó das vontades,
nunca pense que eu possa
trocar o teu amor
por um outro qualquer. 

Minha casa, os amigos.
Minha mãe...
Os irmãos por chegar.
São amores distintos...
Não disparam o coração
feito estilingue...
como o que eu sinto
por você. Oh! minha vó!

Não me faça a faceta
de partir, antes que eu cresça.
Sou capaz de subir
nas alturas do Céu,
só pra reclamar. 

Minha vó, não me esqueça.
Pois por mais eu eu mereça,
não seria capaz
de encontrar...
outra assim tão avó
das minhas crenças.
 
 

4 comentários:

  1. Geraldo Ferreira de Lima13 de dezembro de 2012 10:18

    O amor de avó é o de mãe em dobro.

    ResponderExcluir
  2. Minha vó das vontades...
    outra assim tão avó
    das minhas crenças...
    As palavras cantam. Têm sonoridade.

    ResponderExcluir
  3. minha mãe que tanto queria ser avó.....
    hoje se realiza com apenas uma palavra,com apenas um olhar, em apenas ser vó.....

    ResponderExcluir
  4. Nos extremos da vida, todo o nosso respeito.

    ResponderExcluir