terça-feira, 14 de setembro de 2010

Bob Cão


Amava o meu Bob Cão.
Era um pastor vira-lata.
Às vezes latia em alemão.
Mas falava melhor no gestual e no olhar.
Parava ao meu pé calado
e num repente
beijava-me a boca.
Subia num vôo acrobático.
Era um pássaro de pelos.
Quantas festas nos fazia.
Uma dita matou-nos de susto.
Grudou um osso na boca.
Desfaleceu sem adeus.
Arrancada a farpa,
a morte não retrocedeu.
No entanto, no espanto,
um jato d’água lhe tirou
da letargia.
Ah! Meu Bob Cão.
O mais valente dos amigos.
Fazia plantão à porta,
na minha chegada de todo dia.

Bob já nos chegou idoso.
Sofria do coração.
Mas ao menor risco,
já se mostrava arisco
e nos defendia de corpo inteiro.

Houve outros ataques de dormência.
E houve um definitivo.
Sem querer meu sofrimento
ele escondeu a morte
atrás do meu esquecimento.
Lá ele deitou profundo
na cova ao pé do coqueiro,
pra que eu não percebesse,
a ausência de seus beijos.

Aninhada a perda,
meus olhos não mais
se encontraram.
Quase sempre ainda derramam
pela ausência do velho guerreiro.
Meu amigo de pelo e do peito;
Onde vou amarrar a minha vida?

7 comentários:

  1. Oh, amigo!
    "Uma perda de uma amigo não importa se cachorro é.
    Nunca lhe fez cachorrada
    Sempre abraçou-lhe com meiguice
    Acreditava e se foi além
    Na crença verdadeira
    Que sempre foi amado."

    Um abraço, do seu também amigo, Guará Matos.

    ResponderExcluir
  2. Geraldo!
    Na semana passada assisti um filme sobre um cão que passou dez anos, fazendo a mesma rotina de quando seu dono ainda era vivo.
    "Aguardava, em frente à uma Estação de trem, o retorno de seu dono. (Foi uma história real).
    Por mais que lhe doa a perda de seu amigo, você o imortalizou na poesia.
    Linda homenagem.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado, Guará. Muito agradecido, Cris! Eu também vi o filme que tem o título "Para sempre ao seu lado", se não me engano. Muito marcante. Até o cachorro parece ator e nos comove bastante. Beijos.

    Geraldo Ferreira

    ResponderExcluir
  4. É isso mesmo!
    "Para sempre ao seu lado."
    Olha!
    Difícil dizer quantos amigos me deixaram...
    Amigos como seu Bob.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  5. Geraldo,
    que lindo o seu escrito em homenagem ao seu amigo canino ... realmente eles são muito especiais, inteligentes, emotivos e amigáveis .. eu tenho o meu primeiro cãozinho - da vida- há a penas um ano e já morro por ele também ...

    estou gratamente surpresa com sua companhia ...

    mas como você disse, eu também acredito que essas relações ficam para sempre ...

    um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Só para lembrar que hoje às 22 horas o BLABLABLA NO TELECOTECO/ blablablanotelecoteco.blogspot.com/ abre suas portas para o início das entrevistas e depois uma canja musical com um grande astro da MPB.
    Não deixe de conhecer a arte circense na mais alta qualidade.
    É hoje, 10 da noite.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Uau, muito, bonito o seu poema em homenagem ao "Bob amigo", Juliana não o conheceu, mas com certeza iria gostar de conhece-lo, pena que não poderia namora-lo, por que o Bob era "amigo", não podia morder ninguém e nem namorar as cadelas dos vizinhos.
    Beijos, Marcia (Vovó da Juliana).

    ResponderExcluir